Preconceito Linguístico – O Que é, Como Ocorre, Livros Indicados

Preconceito linguístico

O preconceito linguístico é um dos temas frequentes no estudo na Língua Portuguesa. Para entender o que ele significa, como ocorre e quais as leituras mais indicadas sobre o assunto, confira nosso artigo.

O que é preconceito linguístico?

O preconceito linguístico consiste em uma forma de preconceito que ocorre em um mesmo idioma, provocado pelas diferenças linguísticas existentes entre diversas regiões de um país, grupos sociais etc.



Portanto, o preconceito linguístico está muito atrelado a regionalismos, dialetos, sotaques, gírias etc., sendo que esses elementos estão relacionados a questões sociais, culturais e históricas.

Como ocorre o preconceito linguístico

A ocorrência do preconceito linguístico tem suas origens em uma série de mitos que permeiam a educação, cultura e relações sociais há muitos anos. Vejamos quais são eles:

Mito 1: “Língua portuguesa é muito difícil”.

Esse mito considera que a Língua Portuguesa é difícil de ser falada corretamente em todas as regiões do país e mais difícil ainda de ser empregada de acordo com todas as regras gramaticais. Esse mito considera que é quase impossível tornar esse idioma fácil no dia a dia.

Mito 2: “A língua portuguesa falada no Brasil possui uma unidade surpreendente”.



É mencionado que existem, dentro do território brasileiro, variações e uma unidade linguística.

Mito 3: “O lugar onde melhor se fala o português no Brasil é …”.

Nesse tipo de preconceito linguístico,o mito é que a Língua Portuguesa é melhor falada em determinadas regiões do país, sendo que em outras, o idioma apresenta erros dos mais variados tipos,como excesso de regionalismos, dialetos, grafia diferenciada etc.

Mito 4: “O domínio da norma culta de um idioma é um instrumento de ascensão social”.



Esse mito tem suas origens na significativa desigualdade social e diferenças econômicas em cada região do país. O preconceito linguístico, dessa forma, está ligado a questões sociais e à desconsideração de processos educacionais alternativos.

Mito 5: “Brasileiro não sabe falar português corretamente”.

Essa ideia de preconceito linguístico considera que o modo correto de falar o idioma está mais relacionado ao português de Portugal ou às normas estritamente cultas da língua.

Mito 6: “Para escrever e falar bem português é fundamental dominar a gramática”.



Esse tipo de mito desconsidera as variações linguísticas de um idioma, concentrando-se estritamente na norma culta.

Mito 7: “Pessoas que não possuem bom nível educacional falam errado”.

Esse mito trazido no preconceito linguístico é um dos mais comuns e está relacionado a questões sociais e educacionais, sem considerar as muitas variações linguísticas de um país.

Mito 8: “É necessário falar da mesma maneira que se escreve”.

Este é outro dos mitos mais comuns no preconceito linguístico, no qual acredita-se que todas as pessoas que falam determinado idioma devem fazê-lo da mesma forma que ele é escrito, adotando as regras cultas da linguagem.

Livros sobre preconceito linguístico

  • Preconceito Linguístico (Marcos Bagno)
  • Uma História das Ideias Linguísticas (Bernard Colombat, Jean-Marie Fournier e Christian Puech)
  • Da Linguística Formal à Linguística Social(Roberto Gomes Camacho)

Frases e citações sobre o preconceito linguístico

Para saber o que o autor de maior relevância fala a respeito do preconceito linguístico e da importância dos estudos na área de linguística como um todo, vejamos essas frases e citações:

“O problema certamente está no modo como se ensina português e naquilo que é ensinado sob o rótulo de língua portuguesa.” (Marcos Bagno)

“A gramática tradicional permanece viva e forte porque, ao longo da história, ela deixou de ser apenas uma tentativa de explicação filosófica para ser o fenômeno da linguagem humana e foi transformada em mais um dos muitos elementos de dominação de uma parcela da sociedade sobre as demais.

Assim como, no curso do tempo, tem se falado da Família, da Pátria, da Lei, da Fé etc. como entidades sacrossantas, como valores perenes e imutáveis, também a‘Língua’ foi elevada a essa categoria abstrata, devendo, portanto, ser‘preservada’ em sua ‘pureza’, ‘defendida’ dos ataques dos ‘barbarismos’,‘conservada’ como um ‘patrimônio’ que não pode sofrer ‘ruína’ e ‘corrupção’.”(Marcos Bagno)

“Se o domínio da norma-padrão fosse realmente um instrumento de ascensão na sociedade, os professores de português ocupariam o topo da pirâmide social.” (Marcos Bagno)

Além de aprender sobre preconceito linguístico,fique de olho nos nossos conteúdos que abordam temas de literatura e Língua Portuguesa.

Imagens: gauchazh.clicrbs.com.br / estaciocursoslivres.com.br