Gêneros Textuais – Tipos: narrativo, descritivo, argumentativo (Exemplos)


Os gêneros textuais estão presentes no nosso dia a dia muito mais que imaginamos. Muito além de serem “cobrados” no Enem, concursos, em provas escolares, na área acadêmica ou na vida profissional, eles são essenciais em todas as áreas e ajudam bastante no desenvolvimento da carreira e comunicação. Quer saber o que são e quais são eles? Confira nosso post.

O que são gêneros textuais?

Consiste na classificação dos textos de acordo com as características comuns que eles apresentam com relação ao contexto e linguagem aplicada. Para escolher o gênero textual adequado é necessário considerar a finalidade, função e contexto. Para isso, o primeiro passo é conhecer os tipos de gêneros textuais.

Os 6 tipos de gêneros textuais

1 – Narrativo

Exemplos:



  • Romances;
  • Contos;
  • Lendas;
  • Fábulas;
  • Novelas;
  • Crônicas etc.

São caracterizados por apresentarem ações de personagens no tempo e no espaço. A estrutura de um texto narrativo é composta por: apresentação, desenvolvimento, clímax e desfecho.

2 – Descritivo

Exemplos:

  • Diários;
  • Relatos de viagem;
  • Folhetos turísticos;
  • Currículo;
  • Biografia ou autobiografia;
  • Cardápios de restaurantes;
  • Classificados etc.

Esse tipo de texto tem o objetivo de relatar e expor determinado acontecimento, lugar, pessoa ou objeto. Por esse motivo, um texto descritivo é rico em adjetivos que transmitem ou descrevem imagens por meio da percepção das sensações do emissor.

3 – Dissertativo argumentativo

Exemplos:

  • Artigos de opinião;
  • Abaixo-assinados;
  • Manifestos;
  • Sermões etc.

Esse tipo de gênero textual é empregado com a finalidade de expor um assunto ou tema utilizando argumentações. O texto dissertativo argumentativo é caracterizado pela defesa de um determinado ponto de vista. A estrutura é composta por três partes: apresentação, desenvolvimento e conclusão. Este é o tipo de texto mais solicitado nas provas de Enem e concursos, sendo um dos mais cobrados principalmente durante o Ensino Médio.

4 – Dissertativo expositivo

Exemplos:



  • Jornais;
  • Enciclopédias;
  • Resumos escolares;
  • Verbetes de dicionário etc.

Um texto dissertativo expositivo tem a função de expor determinada ideia utilizando recursos de comparação, conceituação, definição, informação e descrição.

5 – Explicativo injuntivo

Exemplos:

  • Receitas culinárias;
  • Manuais de instruções;
  • Bula de remédio etc.

Também conhecido como texto instrucional, trata-se de um dos gêneros textuais caracterizados por indicar uma ordem de maneira que o emissor busca persuadir e orientar o receptor (interlocutor). Por esse motivo, esses textos geralmente possuem um ou mais verbos no imperativo.

6 – Explicativo prescritivo

Exemplos:



  • Edital de concursos públicos;
  • Leis;
  • Cláusulas contratuais;
  • Regras de trânsito;
  • Constituição;
  • Códigos.

Esse tipo de texto busca instruir o leitor com relação a um procedimento, exigindo que o leitor proceda de determinada maneira. Um texto explicativo prescritivo não permite a liberdade de atuação do leitor. A linguagem utilizada é simples e objetiva.

3 dicas para escrever bons textos

Gêneros textuais

 Além de conhecer os tipos de gêneros textuais, algumas dicas simples são de grande utilidade na hora de elaborar bons textos, sejam eles apresentados em provas ou no dia a dia profissional. Essas dicas são:

1 – Utilizar sinônimos

Para evitar que o texto fique com palavras repetitivas (o que torna a leitura cansativa), a regra básica é fazer uso dos sinônimos. Ou seja, palavras diferentes, mas que possuem o mesmo sentido.



2 – Evitar palavras muito difíceis

Por mais que uma palavra pareça bonita, ela jamais deverá ser utilizada quando quem está escrevendo não sabe o significado exato dela. Isso pode prejudicar a compreensão e interpretação do leitor.

3 – Ter o hábito da leitura

É fato: para escrever bem é preciso ler mais. O simples hábito de ler diariamente proporciona as seguintes vantagens:

  • Enriquece o vocabulário;
  • Favorece uma rápida construção de frases e parágrafos, tornando os textos objetivos e coerentes;
  • Aprimora o poder de comunicação;
  • Melhora a escrita como um todo (incluindo a aplicação das regras de português);
  • Evita o chamado (e temido) “branco” no momento de provas;
  • Favorece as atividades cerebrais, principalmente aquelas relacionadas à memória, aprendizado e criatividade;
  • Aumenta o conhecimento;
  • Proporciona maior facilidade para argumentação de ideias, fatos etc.;
  • Estimula a capacidade de concentração.

O recomendado é ler, no mínimo, 2 livros por mês, estabelecendo um número de páginas diário como uma meta. Depois de conhecer os gêneros textuais e saber como melhorar a habilidade de escrever, basta colocar essas dicas em prática e ver magníficos resultados para a vida toda.

Imagens: programaorienta.com.br / cursoessencial.com.br