Parlendas – o que são e por que são tão importantes para as crianças?

parlendas

As parlendas correspondem a um substantivo feminino que significa palavreado ou falatório, sendo pertencentes ao folclore brasileiro e muito utilizadas de forma pedagógica para instruir e divertir as crianças.

A depender do contexto, a palavra parlenda também pode ser empregada com a finalidade de referir-se a uma rixa, briga ou discussão. Entretanto, o emprego dela nesse sentido não é muito usual no Brasil.

Parlendas utilizadas para fins pedagógicos

A situação na qual a parlenda é mais aplicada consiste no ambiente escolar, auxiliando na alfabetização das crianças de uma forma lúdica e divertida, facilitando o trabalho diário dos educadores e profissionais de recreação escolar.

Construídas em períodos curtos, pequenos versos e rimas de fácil fixação, a parlenda é de suma importância para a consolidação do aprendizado, ajudando também na diversão dos pequenos e nas atividades de lazer tanto no ambiente da escola quanto em casa ou na companhia dos amigos.

Para facilitar a compreensão das crianças, a parlenda também pode estar contida em livros com ilustrações ou escritas em cartazes que ficam no ambiente da sala de aula, o que estimula a memorização quanto à estrutura de palavras ou até mesmo números.

As 24 parlendas mais conhecidas no Brasil

  • Batatinha quando nasce
    se esparrama pelo chão.
    Menininha quando dorme
    põe a mão no coração.

 

  • Tá com frio?
    Toma banho no rio.
    Tá com calor?
    Toma banho de regador.

 

  • Galinha choca,
    comeu minhoca,
    saiu pulando,
    que nem pipoca.

 

  • Pisei na pedrinha,
    a pedrinha rolou.
    Pisquei pro mocinho,
    o mocinho gostou.
    Contei pra mamãe,
    mamãe nem ligou.
    Contei pro papai,
    o chinelo cantou.
  • Uma pulga na balança
    deu um pulo e foi à França.
    Os cavalos a correr,
    os meninos a brincar,
    vamos ver quem vai pegar.

 

  • Subi na roseira,
    quebrou um galho
    segura (nome da criança)
    senão eu caio.

 

  • Fui à feira comprar uva,
    encontrei uma coruja,
    eu pisei na cauda dela,
    me chamou de cara suja.

 

  • João corta o pão,
    Maria mexe o angu,
    Teresa põe a mesa,
    para a festa do Tatu.

 

  • Quem vai ao ar
    perde o lugar.
    Quem vai ao vento
    perde o assento.
    Quem vai à ribeira
    perde a cadeira.

 

  • A casinha da vovó
    trançadinha de cipó;
    se o café está demorando
    com certeza falta pó.

 

  • Um elefante amola muita gente…
    Dois elefantes… amolam, amolam muita gente…
    Três elefantes… amolam, amolam, amolam muita gente…
    Quatro elefantes amolam, amolam, amolam, amolam muito mais…(continua…).

 

  • Eu sou pequena,
    da perna grossa,
    vestido curto,
    papai não gosta.

 

  • Uni, duni, tê,
    salamê, minguê,
    um sorvete colorê,
    o escolhido foi você!

 

  • Tá com frio?
    toma banho no rio
    Tá com calor?
    toma banho de regador.

 

  • Quem cochicha,
    o rabo espicha,
    come pão
    com lagartixa.

 

  • Corre cutia na casa da tia.
    Corre cipó na casa da vó.
    Lencinho na mão, caiu no chão.
    Moça bonita do meu coração.

 

  • Papagaio louro,
    do bico dourado,
    leva essa cartinha
    pro meu namorado.
    Se tiver dormindo
    bate na porta,
    se tiver acordado
    deixe o recado.

 

  • Corre cutia na casa da tia.
    Corre cipó na casa da vó.
    Lencinho na mão, caiu no chão.
    Moça bonita do meu coração.

 

  • O papagaio come milho.
    periquito leva a fama.
    Cantam uns e choram outros
    triste sina de quem ama.

 

  • Amanhã é domingo, pé de cachimbo.
    O cachimbo é de ouro, bate no touro.
    O touro é valente, bate na gente.
    A gente é fraco, cai no buraco.
    O buraco é fundo, acabou-se o mundo.

 

  • O macaco foi à feira
    não teve o que comprar.
    Comprou uma cadeira
    pra comadre se sentar.
    A cadeira esborrachou
    coitada da comadre.
    Foi parar no corredor.

 

  • Um, dois, feijão com arroz,
    três, quatro, feijão no prato,
    cinco, seis, falar inglês,
    sete, oito, comer biscoito,
    nove, dez, comer pastéis.

 

  • Meio dia,
    macaco assobia,
    panela no fogo,
    barriga vazia.

 

  • Era uma bruxa
    à meia-noite.
    Em um castelo mal-assombrado
    com uma faca na mão
    passando manteiga no pão.

 

  • Rei, capitão,
    soldado, ladrão.
    moça bonita
    do meu coração.

 

Certamente mais de uma dessas parlendas já fez parte da infância de muitos adultos e até hoje é lembrada, estando quase sempre associada aos primeiros anos na escola.

Algumas curiosidades sobre as Parlendas

  • Popularmente, as parlendas folclóricas também são chamadas de trava-língua. O motivo disso é que a repetição rápida, seguida e rimada acarreta dificuldades de pronúncia para quem apresenta problemas de dicção;
  • O objetivo com relação à criação da parlenda é entreter as crianças ao mesmo tempo que é transmitido algum tipo de conteúdo, sendo por esse motivo muito utilizada no ambiente escolar;
  • É comum que cada parlenda possua uma variação regional conforme a cultura, costumes e crenças de determinado país, estado ou até mesmo cidade, buscando mergulhar no contexto no qual as crianças estão inseridas;
  • Em Portugal, a parlenda é mais conhecida como cantilena ou lenga-lenga;
  • As parlendas foram trazidas ao Brasil justamente pelos portugueses, sendo que aqui no país ela adquiriu novas contextualizações de acordo com a cultura local, sendo até hoje utilizadas pelos educadores, especialmente em pequenos municípios e nas regiões rurais do país.

Outros métodos pedagógicos

No que se refere à educação infantil, nunca é demais utilizar todos os recursos para facilitar a didática dos educadores e a compreensão dos alunos.

Por esse motivo, além da utilização das parlendas, o ideal é que os professores trabalhem com diversas ilustrações, pequenas historinhas infantis e demais materiais que estimulem o aprendizado, imaginação e poder criativo das crianças.

Principalmente nas atividades em grupo, na fase de alfabetização é de suma importância que a criança aprenda a desenvolver o raciocínio da forma mais independente possível, tomando gosto pela leitura e demais atividades que estimulem o desenvolvimento intelectual.

Nessa fase é ainda mais importante a habilidade dos educadores, sendo indispensável também as brincadeiras e realização de tarefas na companhia dos pais.

Ainda que atualmente existam muitos outros recursos pedagógicos quanto à alfabetização, as parlendas não deixam de ser consideradas como um dos mais conhecidos, sendo de fácil explicação por parte dos educadores e plena compreensão por parte das crianças.

Gostou do nosso artigo sobre parlendas? Compartilhe!

Imagem-   revistaporaqui.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *