Anáfora – Figura de Linguagem – Exemplos e O que é?

 

anafora

 

Anáfora é a figura da repetição.  Ocorre quando uma mesma palavra ou várias, são repetidas sucessivamente, no começo de orações, períodos, ou em versos. A repetição tem o objetivo de dar ênfase e tornar mais expressiva a mensagem. É considerada figura de construção e sintaxe, assim como a Elipse, o Pleonasmo e o Hipérbato.


Exemplos de Anáfora

Em “À primeira Vista” – música cantada por Daniela Mercury:

Quando não tinha nada eu quis

Quando … esperei

Quando tive frio tremi

[…]

Quando chegou carta abri

Quando…

[…]

Quando criei asas, voei

[…]

Quando vi você, me apaixonei…

(Retirado do site Letras.mus.br)

A Anáfora uma figura que tem destaque nas quadrinhas populares, versos e letras de músicas. Seu uso tão comum é por ser um recurso simples de usar e bastante atrativo. Os vocábulos repetidos dão a mensagem uma rica expressividade.

Além disso, esta replicação de palavras  torna-se excelente recurso linguístico, que consegue facilitar a  rima e cativar muita gente. A música dos Titãs é um exemplo disto.

As Flores – Titãs

Há flores cobrindo o telhado

[…]

Há flores …

Há flores em tudo …

[…]

As flores tem cheiro de morte…

(De https://www.letras.mus.br/titas)

 

Etimologia da palavra “Anáfora”

O vocábulo Anáfora tem sua origem no grego. Ela foi estruturada na junção de dois termos: o prefixo ana – que significa repetição e phéro que é um verbo grego que pode ser traduzido como suportar, manter.

Exemplos de Anáfora nos Poemas

Como recurso linguístico cheio de expressividade, e por despertar emoção é usada frequentemente em poesias.

Podemos exemplificar com estas citadas abaixo:

E agora José?

Carlos Drummond de Andrade

[…]

Se você gemesse

Se você tocasse

[…]

Se você dormisse

Se você cansasse

Se você morresse…

[…]

Você é duro, José

Observamos que está se repetindo insistentemente a conjunção “se” e o pronome de tratamento “você”.

Podemos também notar o quanto a replicação destes vocábulos nos estimula a sensibilidade. E é exatamente esta a intenção do autor ao usar esta figura de construção e sintaxe. Ele usa como alternativa literária para nos transmitir todo o drama vivido por tantos Josés deste nosso mundo, que nunca se cansam de lutar pela vida.

Ainda na mesma poesia de Drummond:

E agora José?

Carlos Drummond de Andrade

Sua doce palavra

Seu instante…

Sua gula e jejum

Sua biblioteca

Sua lavra de ouro

Seu terno…

Sua incoerência

Seu ódio, e agora?

Vemos nestas estrofes, a reincidência sucessiva dos pronomes “sua” e “seu”. O objetivo do autor é ainda sensibilizar, deixar em evidência, enfatizar a situação e a condição de José.

(Os trechos da poesia foram retirados do site:

http://pensador.uol.com.br/e_agora_jose/)

 

Exemplo de Anáfora nas Quadrinhas populares

Nem tudo que ronca…

Nem tudo que ´berra é bode

Nem tudo que reluz é ouro

Nem tudo que se quer…

(Retirado de: http://www.dicionarioinformal.com.br/)

Está perfeitamente claro nos versos, o recurso linguístico apresentado através do grupo de palavras: “Nem tudo que”


Anáfora nas Cantigas de Roda

As cantigas de roda são um tipo de texto em que esta figura aparece com frequência.

Vejamos alguns exemplos:

Cantiga de roda “Na Bahia tem”.

Na Bahia tem

Tem, tem, tem

Na Bahia tem morena

Coco de vintém

Podemos perceber a presença da repetição no grupo de palavras: “Na Bahia tem”

Em versinhos populares próprios das brincadeiras de roda.

Pirulito que bate, bate

Pirulito que já bateu

Quem gosta de mim é ele

Quem gosta dela sou eu

(Retirado de www.letras.mus.br/cantigas-populares/984003/)

 

Mais uma cantiga de nosso folclore: Fui à Espanha.

Ora, palma, palma, palma!

Ora…

Ora, roda, …

Caranguejo peixe é!

Caranguejo não é peixe,

Caranguejo …

Caranguejo …

Lá no fundo da maré.

(Retirado https://www.letras.mus.br/temas-infantis/462712/)

Identificamos a Anáfora nos termos repetidos no começo dos versos. Se revelam através da repetição dos termos “ora” e “caranguejo”.

Vale observar que esta figura de construção e sintaxe é caracterizada pela presença de repetição sempre no início dos versos.

Anáfora é uma maneira de dar ênfase ao texto. Transmitir a mensagem através deste recurso é uma alternativa muito utilizada por escritores, poetas e compositores.